Segundo alguns AGers, o PODER FLOODER se manifesta do âmago de nosso ser. Alguns dizem ser uma força, uma energia latente que se concentra nas palmas das mãos. Outros, que seria uma energia misteriosa, um poder oculto que se alimentaria de nossas emoções mais sombrias. A verdade é que, muitos dizem conhecer essa força, mas poucos realmente chegaram a manifesta-la.

16 de Julho, 2019, 12:11:35

Autor Tópico: Cotas  (Lida 3559 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Re: Cotas
Resposta #75: 16 de Janeiro, 2015, 01:35:30
1
0
vocês querem a real mesmo? o problema não é a cota, o sistema todo superior no Brasil é uma piada.


Rico faz faculdade de graça e pro pobre só resta as universidades particulares e programas como o Prouni que não são nada mais que uma gambiarra pro sistema funcionar melhor.


Universidade publica deveria ser paga. Quem não tem condições teria financiamento subsidiado e/ou bolsa por mérito.Funciona assim nos EUA.



Re: Cotas
Resposta #76: 16 de Janeiro, 2015, 02:11:59
0
0


Sobre a educação básica:

Discordo de quem falou sobre o conteúdo da rede pública e particular serem iguais. Isso pode até ser verdade no sul ou no nordeste (segundo o IBGE, são as melhores regiões), mas na região sudeste o ensino público é totalmente sucateado. Estudei em pública e tive equação de segundo grau até o terceiro ano, enquanto criança da oitava série de algum particular já sabia fatoração e trigonometria.
Na minha primeira prova de vestibular, acertei 39 de 90 (para cursos como engenharia sua nota tem que ser pelo menos 65) e mesmo com cotas não serviu pra muita coisa.
Claro que continuei estudando e consegui uma nota boa na FUVEST (83 pontos de 90), mas pra mim foi muito mais difícil do que pro boyzinho da particular.

Sobre o ensino superior:
Temos excelentes faculdades, dentre as quais se destacam:
USP, UNICAMP, UFRJ, UNESP, UFPR, UFRS, UFCE, ITA, IME, Barro Branco, PUC, Mackenzie....

Nossas graduações são bem vistas no exterior, mas na pós deixamos um pouco a desejar.

Sobre o lance de faculdade pública ser paga, discordo totalmente.
O governo vai fazer que nem o Prouni, e só vai conceder isenção para quem mentir muito bem ou tiver uma renda extremamente baixa. Além disso, o governo não considera quanto VOCÊ recebe, e sim a família. Se o seu irmão receber um salário de 10.000 e não dividir com ninguem, o sistema te considera como capaz de pagar, mesmo que vc nao receba 1 centavo do seu irmão.

Dessa maneira, acredito que cobrar mensalidade em faculdades públicas não só dá errado, como vai diminuir o número de alunos de baixa renda (quem é rico vai continuar estudando, pagando ou não).
Sendo pago funciona nos EUA, mas aqui tem que levar em conta o hu3br


Rico faz faculdade de graça e pro pobre só resta as universidades particulares e programas como o Prouni que não são nada mais que uma gambiarra pro sistema funcionar melhor.

Bem isso mesmo. Tive que vender meu corpo pro Satanás pra entrar na USP porque sou pobre :/

Re: Cotas
Resposta #77: 5 de Maio, 2015, 21:57:25
0
0

Sobre a educação básica:

Discordo de quem falou sobre o conteúdo da rede pública e particular serem iguais. Isso pode até ser verdade no sul ou no nordeste (segundo o IBGE, são as melhores regiões), mas na região sudeste o ensino público é totalmente sucateado. Estudei em pública e tive equação de segundo grau até o terceiro ano, enquanto criança da oitava série de algum particular já sabia fatoração e trigonometria.

Sobre o lance de faculdade pública ser paga, discordo totalmente.
O governo vai fazer que nem o Prouni, e só vai conceder isenção para quem mentir muito bem ou tiver uma renda extremamente baixa. Além disso, o governo não considera quanto VOCÊ recebe, e sim a família. Se o seu irmão receber um salário de 10.000 e não dividir com ninguem, o sistema te considera como capaz de pagar, mesmo que vc nao receba 1 centavo do seu irmão.

Dessa maneira, acredito que cobrar mensalidade em faculdades públicas não só dá errado, como vai diminuir o número de alunos de baixa renda (quem é rico vai continuar estudando, pagando ou não).
Sendo pago funciona nos EUA, mas aqui tem que levar em conta o hu3br


mesmo se o conteúdo for o mesmo, só pelo fato de que escola particular tem salas com 10, 15 alunos, e as publicas entre 35 a 45 por sala, já dá uma enorme vantagem ao aluno de ensino particular; outra vantagem: poder se dedicar totalmente ao estudo, enquanto o de familia mais pobre já tem que conciliar trabalho com estudo o que lhe resta menos tempo para o estudo, e estresse que dificulta a absorção de conteúdo (problema amenizado com os programas jovem aprendiz, e aprendiz legal; com jornadas de trabalho menores (4, a 6 horas, e curso uma vez por semana no lugar do "estágio).

sobre pagamento de mensalidade em universidade publica, só se fosse como um subsídio; a união, ou o estado paga uma parte, e o estudante de classe B pagaria outra parte (como funciona no transporte publico, parte da tarifa é subsidiada pelas prefeituras, e alguns com gratuidade (em São Paulo, finalmente temos o passe livre estudantil, onde estudantes da rede publica podem pegar onibus gratuitos 22 dias por mês, para ensino fundamental, médio regular, e superior publico/fies/prouni)

sobre Fies, e prouni, acho boas medidas, o fies é uma medida de curto-prazo para sanar parte do problema da falta de faculdades publicas; o prouni acho interessante por ele diminuir as chances de desvio dos impostos pagos pelas faculdades, em vez de pagar os impostos ao governo, os transforma em bolsas para os estudantes carentes, a corrupção só poderia envolver a universidade propriamente dita (ofertar menos bolsas que o valor dos impostos proporcionaria)

Re: Cotas
Resposta #78: 5 de Maio, 2015, 23:04:14
0
0
vocês querem a real mesmo? o problema não é a cota, o sistema todo superior no Brasil é uma piada.


Rico faz faculdade de graça e pro pobre só resta as universidades particulares e programas como o Prouni que não são nada mais que uma gambiarra pro sistema funcionar melhor.


Universidade publica deveria ser paga. Quem não tem condições teria financiamento subsidiado e/ou bolsa por mérito.Funciona assim nos EUA.

Começa no fundamental. O governo não tinha vaga para creche. Era do 0 ao 6 anos.

"Ah, a gente tem vaga no ensino fundamental."

Magicamente, surgem vagas na creche? MAH COMO? O governo não tem como investir em criar mais creches ou infra-estrutura.

Cria-se a nona série. "BLA BLA BLA, vai melhorar o estudo das crianças pro Ensino Médio".

Melhorou nada. Apenas jogaram as crianças de 6 anos na primeira série, pronto, 1/7 das vagas de creches podem ser usadas.

Aí vem o superior e o médio. Não tem vaga nas universidades. Ao invés de mudar como os EUA ou construir mais faculdades públicas ou melhorar as existentes, é bem simples.

Cria-se o Quarto ano do ensino médio. E obriga-se os alunos a ter o técnico.

Você cria uma massa de trabalho que não precisa ter faculdade, pode ser empregada por um salário mais baixo e eles não fazem faculdade. Isso enxuga o excesso de entrada no ensino superior.

Aí você joga as cotas para mascarar o problema real: precisamos mudar todo o sistema educacional.
Não lembro como usa BBCode, mimsina

Re: Cotas
Resposta #79: 6 de Maio, 2015, 20:39:44
0
0
Começa no fundamental. O governo não tinha vaga para creche. Era do 0 ao 6 anos.

"Ah, a gente tem vaga no ensino fundamental."

Magicamente, surgem vagas na creche? MAH COMO? O governo não tem como investir em criar mais creches ou infra-estrutura.

Cria-se a nona série. "BLA BLA BLA, vai melhorar o estudo das crianças pro Ensino Médio".

Melhorou nada. Apenas jogaram as crianças de 6 anos na primeira série, pronto, 1/7 das vagas de creches podem ser usadas.

Aí vem o superior e o médio. Não tem vaga nas universidades. Ao invés de mudar como os EUA ou construir mais faculdades públicas ou melhorar as existentes, é bem simples.

Cria-se o Quarto ano do ensino médio. E obriga-se os alunos a ter o técnico.

Você cria uma massa de trabalho que não precisa ter faculdade, pode ser empregada por um salário mais baixo e eles não fazem faculdade. Isso enxuga o excesso de entrada no ensino superior.

Aí você joga as cotas para mascarar o problema real: precisamos mudar todo o sistema educacional.

na verdade (ou melhor no meu ponto de vista), a inclusão do 9º ano no ensino fundamental foi apenas um modo de obrigar ao aluno pelo menos o 3º periodo da pré-escola.

Creche dos 0 aos 3, pré escola dos 4 aos 6, dos 7 em diante no ensino fundamental; só que creche e pré-escola é opcional; só que a alfabetização tem começado no final da pré-escola, inicio da assimilação de letras, e numeros. então está mais para intensificar a alfabetização que aprimorar os alunos para o ensino médio.

4º ano eu acho viável, proincipalmente para quem estuda à noite; são 4 horas de aulas, contra 5 nos periodos da manhã, e tarde (pelo menos em são Paulo).

e ensino técnico é bom, o aluno se torna "apto" para o mercado de trabalho em 1 ano e meio (que acho que deveriam ser 2 anos), no lugar de 3 ou 4 da faculdade; acho válido ainda mais se o aluno depois do técnico procure um curso universitário, ou tecnólogo.

ah, e temos mais um problema, o numero de desistentes é relativamente grande nos cursos técnicos e faculdades, nos que eu fiz (técnicos), o curso começava com 40 alunos, e terminava com 20 a 25.

quanto às creches, pelo que li, o problema não é construir creches o custo maior é mantê-las, para construir o governo federal até ajuda, mas a manutenção é obrigação total das prefeituras
« Última modificação: 6 de Maio, 2015, 20:57:43 por Vince_Valen »

Re: Cotas
Resposta #80: 7 de Maio, 2015, 00:05:59
1
0
na verdade (ou melhor no meu ponto de vista), a inclusão do 9º ano no ensino fundamental foi apenas um modo de obrigar ao aluno pelo menos o 3º periodo da pré-escola.

Creche dos 0 aos 3, pré escola dos 4 aos 6, dos 7 em diante no ensino fundamental; só que creche e pré-escola é opcional; só que a alfabetização tem começado no final da pré-escola, inicio da assimilação de letras, e numeros. então está mais para intensificar a alfabetização que aprimorar os alunos para o ensino médio.

Posso não lembrar com detalhes, mas eu estive em aula de alfabetização de adultos com uma diretora de escola. Ela me contou o que eu disse. Eu particularmente não acho que o 9º ano do fundamental foi "apenas" um modo de obrigar o aluno ao 3º período porque existem outros meios pra isso.

Nitidamente nossa educação forma gado, não pessoas pensantes. Claro, existem medidas como FIES, ProUni que podem formar exceções... mas não os financiamentos, a estrutura interna, nada tem de Paulo Freire ou Gramsci como a Direita acusa. É justamente o oposto, quase uma reprodução do ensino da época da ditadura, com algumas alterações (conquistas) óbvias.

4º ano eu acho viável, proincipalmente para quem estuda à noite; são 4 horas de aulas, contra 5 nos periodos da manhã, e tarde (pelo menos em são Paulo).

e ensino técnico é bom, o aluno se torna "apto" para o mercado de trabalho em 1 ano e meio (que acho que deveriam ser 2 anos), no lugar de 3 ou 4 da faculdade; acho válido ainda mais se o aluno depois do técnico procure um curso universitário, ou tecnólogo.

Ensina o aluno o equivalente ao primeiro ano de faculdade e o empregador pode dispensar graduados por gente menos experiente por custo mais barato.

Também desvaloriza o ensino superior.

Pra pessoa entrar no mercado de trabalho é maravilhoso. Pra ensinar a pessoa a ser um profissional pensante, é terrível!

ah, e temos mais um problema, o numero de desistentes é relativamente grande nos cursos técnicos e faculdades, nos que eu fiz (técnicos), o curso começava com 40 alunos, e terminava com 20 a 25.

quanto às creches, pelo que li, o problema não é construir creches o custo maior é mantê-las, para construir o governo federal até ajuda, mas a manutenção é obrigação total das prefeituras

Como eu disse, construir e manter.
Não lembro como usa BBCode, mimsina