O Fórum AG também está no WhatsApp. Peça para algum administrador do chat incluí-lo!

[Tópico Oficial WhatsApp - Peça aqui]

18 de Março, 2019, 18:26:45

Autor Tópico: Transexualidade  (Lida 5142 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Transexualidade
: 9 de Julho, 2015, 13:09:34
Bom, como prometido, meu tópico sobre a Transexualidade. Aviso que vai ser longo, mas interessante e recheado de informações (tópico que levei horas pra digitar e organizar x_x). Pretendo explicar a transexualidade, principalmente a masculina que é desconhecida de muitos e, ao mesmo tempo, trazer questões que estão em alta no momento, como uso do "nome social" e banheiros de acordo com o gênero em escolas, e o PME.

Pra começar o assunto, tem que ser pelo começo, então, vou usar essa imagem e comentá-la:



Então, peguei essa ilustração pra separar coisas que as pessoas confundem e acham que é tudo a mesma coisa: sexo, gênero e orientação sexual (afora a expressão de gênero). Essas três coisas não são a mesma coisa: sexo é a parte biológica que nos designam ao nascer, gênero é como nos sentimos psicologicamente, e a orientação sexual é por quem nos atraímos, e que nada tem a ver com a identidade de gênero da pessoa.

Mais conceitos:
Pessoas cis e pessoas trans: "cis" vem do latim "do mesmo lado", ou seja, são as pessoas que se identificam com sexo biológico que nascem. Já "trans" vem "do outro lado", é quando tua cabeça está de desacordo com tua condição biológica.

Disforia de gênero/sentir disforia: é o nome que se dá ao sentimento de desconforto e desconexão com o corpo, por ex: eu como homem trans odiar o fato de ter seios, me sinto disfórico. É uma sensação terrível e dolorida. Nem todo mundo sente disforia da mesma forma. Algumas pessoas trans tem disforia com o corpo todo, outras pessoas tem disforia apenas com algumas partes do corpo. (meu caso) Ninguém é "mais trans" ou "menos trans" pela quantidade de disforia que sente.
A disforia, além de corpórea, pode ser social também. Quando te tratam no gênero errado, usando teu nome de registro e pronomes errados.

FtM e MtF: Respectivamente Female-to-Male transexual (homem trans) e Male-to-Female transexual (mulher trans). São siglas muito usadas na comunidade internacional e mais ou menos na brasileira. Me acostumei com esses termos, mas eles tem um "pequeno" problema: eles dão a impressão que vc era uma coisa e tá virando outra, perpetuando a ignorância da "mudança/troca de sexo". As pessoas acham que a gente troca de algo, como quem liga ou desliga um interruptor de luz. A expressão mais correta é readequação de sexo, afinal o gênero da pessoa é e sempre foi real, ela só está mudando o corpo pra "fechar" com a mente. (E, abrindo um parêntese de vários nesse tópico que vai ser grande, o gênero da pessoa é real independente de quais cirurgias ela fez, deixou de fazer ou nas quais nunca vai fazer; se toma hormônios, se não toma ainda, ou se nunca vai tomar. E independente da genitália. Pessoas não são vaginas ou pênis ambulantes. Não se trata de Pica Pau, Pernalonga ou Mickey vestidos de homem ou mulher, e sim de pessoas de verdade.)

Sobre minha trajetória:

Eu sou homem trans não-binário gay (explico o não binário melhor ao fim do tópico, pra não causar mais confusão  ), meu sexo biológico é mulher, meu gênero é (parcialmente) masculino, e minha atração sexual é por homens/masculinidade no geral (e pessoas andróginas).

Me "descobri" como trans em julho de 2008, um mês antes do meu aniversário, graças à uma entrevista com ator pornô trans, o Buck Angel. Em um dia de tédio, vi uma entrevista dele no Uol com a seguinte chamada: "Conheça Buck Angel, o homem com vagina", cliquei, li a longa entrevista onde ele contava sobre a vida dele, sobre o processo de transformação física que ele passou e bem... foi uma bomba atômica na minha vida. Foi a explicação de pq sempre me senti "menino", pq nunca me identifiquei com o universo e interesses femininos desde a infância, pq sofri, senti e sinto muita disforia com meu corpo desde a puberdade e, ao mesmo tempo, que eu podia ser tudo isso E me atrair por homens. O Buck matou dois coelhos numa cajadada só, e me fez entender que identidade de gênero e orientação sexual são duas coisas distintas. Mesmo assim, se descobrir "trans" em 2008 não foi fácil, pq em português no Orkut e nos sites só se falava das mulheres trans, travestis e crossdressers e nada sobre homens trans. Participei da primeira comu aberta a trans no geral do Orkut chamada "Disforia de Gênero", e de meninos ali era eu e mais 3 gatos pingados. Passei os anos com informações de Vlogs gringos no YouTube e de fóruns e sites em inglês. Acompanhei diversas transições, me informei sobre as possibilidades de tratamento hormonal e cirurgias, mas, ao mesmo tempo, me sentia um ser bizarro, pq trans e, ainda por cima, gay... Na "minha época", ainda nem FtMs se via pelo Brasil, o que dirá FtMs gays! (nem muitos gringos que se declarassem gays, bi ou pans era muito comum de se ver...)
Todos esses sentimentos me consumiram por anos. Anos que tentei negar a mim mesmo, negar que eu precisava desses procedimentos pra continuar vivo. Anos, pesquisando e secando vivências alheias... Anos de longas madrugadas, sozinho, pensando e pensando...
Quando me decidi pela transição, a comunidade dos homens trans já estava organizada no Brasil. Eu demorei anos pra ter um Facebook e, quando fui ver, já eram quase 2000 homens trans organizados pelo IBRAT, Instituto Brasileiro de Transmasculinidades, além de ter tido, agora em 2015, o primeiro ENAHT, Encontro Nacional de Homens Trans na USP.
Enfim, o resumo do resumo da minha trajetória é essa.
Okay, agora que ambientei o assunto, vamos à polêmica...

----------------------

Os PMEs (Planos Municipais de Ensino) e a tal "Ideologia de Gênero"

Não vou assim, me deter muito no assunto, mas em resumo, tem se procurado melhorar a vida das pessoas trans nos espaços de ensino. Veio a lei pra garantir o uso do "nome social" nas escolas, pra chamada, provas e trabalhos, e também garantir o uso dos banheiros certos. Aí o PME seria uma espécie de continuação/solidificação disso. Seria tentar explicar nas escolas sobre a importância de respeitar as identidades de gênero das pessoas e as orientações sexuais delas. Isso é BEM diferente de uma "ideologia", é IDENTIDADE de gênero, não IDEOLOGIA de gênero. Nem sei de onde tiraram uma p***a dessas! E o que vendem pra sociedade desinformada é que nas escolas a gente vai ensinar que "homem" e "mulher" não existem, que as pessoas podem "escolher" seus gêneros, ou ensinar os filhos dos outros a serem gays! (afinal identidade e orientação é tudo a mesma m* na cabeça das pessoas...)

Aiai, santa sofrência... Assistam esse vídeo pra ver do que eu to falando:



E aqui, um vídeo de contraponto:



E, sobre esse assunto, deixar a reflexão de um homem trans, o David Cristian da page Tboy Binders & Packers:

"...estava passando uma reportagem sobre que uma votação aqui em Curitiba dos vereadores algo assim nem ouvi direito decidiu retirar a cartilha de orientação e identidade de gênero das escolas para crianças de 0 a 12 anos de 33 votos contra 1.
Isso pra mim é uma facada no peito pois eu fui uma criança transexual, um adolescente transexual que sofreu pra caralho nessa vida, e hoje sou um adulto com 24 anos e vou fazer 25, não tive uma adolescência sadia onde morei, sofria bullyng, reprovei 3 anos no colégio não por ser burro pois tirava notas boas mas sim por preconceito, por não querer ir, pois meu apelido era garoto sem pinto no colégio, pois quando eu tinha uma namoradinha era um inferno, tanta coisa que eu quis fazer e não pude quando era adolescente, sempre sendo odiado no bairro onde moro por ser quem sou, viver em uma pressão de uma família religiosa com um preconceito velado, ter um pai que tem vergonha de mim e nem na minha cara olha direito quando passo pela rua, eu sei que muitos de nós temos histórias parecidas e piores e só nós sabemos o quanto sofremos nesse país que não acolhe nós, homens e mulheres trans jogados e vistos como errados, impuros, sujos, malditos.
Essa semana eu passei por um grupo de adolescentes na rua e eles estavam rindo felizes, todos héteros, cis, olhei pra eles e pensei "vocês não imaginam o quanto vocês tem sorte se é que posso chamar isso de sorte por ter uma vida onde podem ir e vir em paz com seu gênero", adolescentes que muitas vezes reclamam pela capa do Iphone que quebrou, pelo namorado ou namorada que não deu bola, que sorte que vocês tem pois vocês podem viver isso."


----------------------

João W. Nery, o primeiro homem trans operado no Brasil

Trazer uma palhinha da vida do João W. Nery, o primeiro homem trans operado no Brasil em plena ditadura militar. Ele teve que fazer a operação da mastectomia e tratamento hormonal ilegalmente, e se registrar de novo pra poder viver como homem. Ao fazer isso, ele automaticamente perdeu o direito de atuar como psicólogo e professor universitário, se reduzindo a um simples analfabeto.




----------------------

Binário x Não-binário

Sobre o binário e o não-binário. Binário é dizer que só existem 2 gêneros, homem e mulher, e dividir a sociedade, as roupas, as atividades e tudo em 2 pólos binaristas. Não binário é o além disso. É, a nível de vivência, dizer que as coisas não tem necessariamente um papel, que isso é uma invenção social. Que a sociedade impõe que pessoas cis e trans se enquadrem nisso, afinal também existem espectativas em cima das pessoas trans. E saber que identidades e expressões de gênero podem ser infinitas, que uma pessoa pode se sentir, por exemplo:

Gênero-fluída (Genderfluid) - que se sente um dia de um gênero e outro de outro
Bigênera (Bigender) ou Pangênera (Pangender) - com vários gêneros simultaneamente
Demigênera (Demigender) - que seria parcialmente de um gênero, ex: demiboys, parcialmente homem/masculino; demigirls, parcialmente mulher/feminina...
Andrógina/Andrógine (Androgyne)- que seria um equilíbrio do masculino e feminino, no sentido de gênero, não de aparência física
E, terminando o resumo não-binário, muita gente se declara Agênera (Agender), isso é, sente que não pertence a nenhum gênero

Isso é um resumo do resumo de identidades não-binárias e, dentro da "teoria" não binária, se acredita em "terceiros gêneros" que surgem dentro de sociedades, chamados de "gêneros étnicos", que são vinculados estreitamente a um contexto, um país. Chamam isso de "terceiro gênero" (third gender), pq o primeiro e segundo seriam homem e mulher, respectivamente. O terceiro gênero do Brasil seria as travestis. Elas não se identificam nem como homem nem como mulheres. Nos EUA, um terceiro gênero seriam os two-spirit, índios que tinham fluidez entre os gêneros e faziam o papel dos dois. E por aí vai.
E pessoas intersexo (erroneamente chamadas de hermafroditas) são consideradas por alguns "naturalmente não-binárias".
Algumas feministas sustentam que o gênero é uma construção social, e que a gente não nasce com ele, somos educados a tais construções (até pq os conceitos de homem e mulher variam de sociedade pra sociedade). E talvez tenha sido disso que tiraram a tal "ideologia de gênero", como se o objetivo fosse comentar isso nas escolas...

Eu me identifico com os conceitos de genderfluid, demiboy, androgyne e agender, mas, principalmente, como demiboy. Mas é lógico que eu só uso esses termos em espaços onde as pessoas conhecem isso, ou vou estar falando grego. Lá fora, pra simplificar, só uso "homem trans não-binário". ^^"

E aqui um vídeo MUITO legal retrogamer sobre o assunto. XDDDD (O vídeo tem close-captions, se ficar meio difícil de acompanhar.)



Detalhe pra Birdo e Yoshi, já pensaram neles? 


----------------------

"Etiqueta Trans"

Vou citar aqui os maiores erros que geralmente as pessoas cometem com pessoas trans além dos mais comuns que são trocar os pronomes e chamar pelo nome de registro:

1- Perguntar qual nome era o nome de registro da pessoa.

O que diabos importa qual era meu nome de registro? Qual a relevância dessa pergunta? Não vai servir pra nada saber o nome passado de alguém. Se servir pra algo, servirá só pra constranger a pessoa e/ou fazer ela lembrar do seu passado difícil.

2- Perguntar pra pessoa trans (ou intersexo) se ela vai ter um pênis/pinto/pau ou uma vagina/buceta/ppk ou um caralho voador ou whatever.

Pras pessoas cis ninguém sai perguntando qual é genital que elas tem, então pq pras pessoas trans (ou intersexo) tem que perguntar? Existe gente sem noção que mal me conhece (ou com outras pessoas trans), e a primeira coisa que pergunta é "mas então, vc vai ter um pinto?" (isso se não perguntar logo na sequência, ou antes, qual é o meu nome de registro...  ). Tipo, qual a relevância do que tem dentro das minhas calças na vida das pessoas??? As pessoas cis sempre se referem aos genitais como "partes íntimas", mas na hora das pessoas trans, parece que viram "partes públicas".

(E, pros curiosos de plantão, só pq eu abri o tópico pra esclarecer, existem duas cirurgias pra construção de pênis em homens trans. A faloplastia, que usa um pedaço da pele do antebraço ou abdômen pra criar um pênis + implantes testiculares, é algo feito em 5 cirurgias, não existe no Brasil, e a técnica foi criada originalmente para homens cis que perderam o pênis em acidentes... E tem também a metoidioplastia, que cria um micropênis a partir do aumento clitoriano, que acontece graças à testosterona, e aí é colocado também implantes testiculares após o fechamento do canal vaginal. Eu particularmente não tenho interesse – e nem dinheiro – em ambos os procedimentos, e ficaria mais do que satisfeito com o aumento no "amiguinho" que a T me dará...)

3- Como vc faz sexo?

Qual a relevância do que uma pessoa trans faz entre quatro paredes? Já ouvi cada estupidez, principalmente quando os envolvidos são um casal de pessoas trans. (SIM, EXISTE PESSOAL. Tem mulher trans que namora homem trans, tem mulher trans que namora mulher cis, tem homem trans que namora homem cis, tem homem trans que namora homem trans, mulher trans que namora... *ad infinitum*)
Me lembra o caso do casal trans de uma mulher trans e homem trans que foram humilhados no Superpop...


Na foto, um homem trans na parada LGBT de São Paulo.



E, pra finalizar, uma desabafo de um menino trans que vi na comunidade "TransParência Não Binária", sobre a dificuldade de achar e comprar testosterona nas farmácias:

"(...) Aí falei que já fazia tratamento há 1 ano e 3 meses, que esse meu médico era especialista em pessoas trans, que ele receitava isso pra muita gente e que nunca nunca tinha dado esse tipo de problema comigo. Ela ainda estava resistente. Aí comecei a fazer um drama, falei como foi difícil conseguir essa receita, como estava impossível conseguir o medicamento, como era terrível ser trans nesse mundo, oh por favor, tenha piedade e ajude essa pobre alma que se ajoelha aos seus pés.
Depois de muito chororô ela aceitou me vender. Comprei, tava super caro, e quando fui embora agradeci do fundo do coração. E fiquei com uma tremenda raiva dessa merda de posição que a gente tá que faz com que nos sintamos em dívida com tantas pessoas (médicos que aceitam receitar, farmacêuticos que aceitam vender, patrões que aceitam nos contratar, empresas que aceitam nos tratar pelo nome social, pessoas que aceitam nos respeitar), sendo que o que elas estão fazendo não é nada de grandiosíssimo."

Depois de ler isso, me digam se é uma escolha, e me digam se é isso que queremos ensinar às crianças nas escolas? "Queridos, vcs podem escolher entre ser homem e mulher. Depois sejam humilhados, sofram preconceito, e gastem sua vida, sua saúde e seu dinheiro (ou o dinheiro que nem tem ou sabe como ter) em hormônios e cirurgias". Ah vai, conta outra. 

« Última modificação: 9 de Julho, 2015, 13:31:18 por Ritsuka »

Re: Transexualidade
Resposta #1: 9 de Julho, 2015, 13:27:53
0
0
Poxa li todo o tópico, imensamente informativo e esclarecedor, tem muitos termos aí que eu nem imaginava que existiam 


Aliás isso me lembra essa série nova, a "Sense8" nela tem uma personagem que é uma mulher trans (funfact: a atriz também é trans) que namora uma outra mulher. confesso que fiquei "" quando vi pela primeira vez, mas depois me liguei que toda forma de amor é válida 

Admiro todo teu esforço e dedicação pelo tópico, e você deve ter passado cada coisa, bah....

Por fim... te chamar de "trap" é algo que está de acordo com a etiqueta? heuehuehuhe xD

Isso aqui é FOFO PRA CARALHO, puta que pariu, te amo mulher


Presente da Lilith


 Versinho da Jeny <3

Re: Transexualidade
Resposta #2: 9 de Julho, 2015, 13:41:45
0
0
Poxa li todo o tópico, imensamente informativo e esclarecedor, tem muitos termos aí que eu nem imaginava que existiam 


Aliás isso me lembra essa série nova, a "Sense8" nela tem uma personagem que é uma mulher trans (funfact: a atriz também é trans) que namora uma outra mulher. confesso que fiquei "" quando vi pela primeira vez, mas depois me liguei que toda forma de amor é válida 

Admiro todo teu esforço e dedicação pelo tópico, e você deve ter passado cada coisa, bah....

Por fim... te chamar de "trap" é algo que está de acordo com a etiqueta? heuehuehuhe xD

Bah, brigadão Franck por ter lido e gostado! 

O tópico foi demasiado longo, mas tentei desmistificar várias coisas pq é um assunto desconhecido mesmo, e ao mesmo tempo trazer as questões da atualidade do PME e etc.

Nem tava ligado nisso da série "Sense8", que foda! Irmãos Wachowskis! Como vc sabe, um deles, a Lana, se assumiu como mulher trans. 

Sobre "trap", definitivamente, não. XD Mas eu, e isso EU, sou uma pessoa legal 8DDD , sem nóias, e sei que a intenção não é me ofender e eu me divirto com o termo "trap" até pq tinha o conceito "reverse trap" pra meninas tomboys. (E também não sou noiado pq expliquei que sou não-binário. 8D)
Mas, provavelmente, ainda mais fora de contexto, qualquer outra pessoa trans acharia ofensivo. ^^" Por mim, that's ok.

Re: Transexualidade
Resposta #3: 9 de Julho, 2015, 13:47:00
1
0
Bah, brigadão Franck por ter lido e gostado! 

O tópico foi demasiado longo, mas tentei desmistificar várias coisas pq é um assunto desconhecido mesmo, e ao mesmo tempo trazer as questões da atualidade do PME e etc.

Nem tava ligado nisso da série "Sense8", que foda! Irmãos Wachowskis! Como vc sabe, um deles, a Lana, se assumiu como mulher trans. 

Sobre "trap", definitivamente, não. XD Mas eu, e isso EU, sou uma pessoa legal 8DDD , sem nóias, e sei que a intenção não é me ofender e eu me divirto com o termo "trap" até pq tinha o conceito "reverse trap" pra meninas tomboys. (E também não sou noiado pq expliquei que sou não-binário. 8D)
Mas, provavelmente, ainda mais fora de contexto, qualquer outra pessoa trans acharia ofensivo. ^^" Por mim, that's ok.


O assunto é mesmo desconhecido para muitos mesmo, normal o tópico sair grande, você ficará rico em AGolds! 8D

Se puder assista a série! tem outros personagens tão interessantes quanto, eu sabia desse caso da Lana inclusive... aliás certo que muito do que a Nomi(Personagem trans que citei) passa deve ser meio que experiência própria da Wachowski.

Ah ufa, que bom que não se ofendeu... bom é claro que eu não sairia dizendo "hey, você é trap né?" pra todo mundo assim (sou louco mas nem tanto) é que na AG todo mundo é amigo 

Isso aqui é FOFO PRA CARALHO, puta que pariu, te amo mulher


Presente da Lilith


 Versinho da Jeny <3

Re: Transexualidade
Resposta #4: 9 de Julho, 2015, 14:04:28
0
0
O assunto é mesmo desconhecido para muitos mesmo, normal o tópico sair grande, você ficará rico em AGolds! 8D

Se puder assista a série! tem outros personagens tão interessantes quanto, eu sabia desse caso da Lana inclusive... aliás certo que muito do que a Nomi(Personagem trans que citei) passa deve ser meio que experiência própria da Wachowski.

Ah ufa, que bom que não se ofendeu... bom é claro que eu não sairia dizendo "hey, você é trap né?" pra todo mundo assim (sou louco mas nem tanto) é que na AG todo mundo é amigo 

Se AGolds pudessem se converter em dinheiro na vida real... *-*

Vou dar uma olhada na série sim!

E bem, eu não sou 100% a favor também do policiamento do "politicamente correto", acho que tem mais a ver com bom senso, contexto, intimidade e respeito. É que nem negros entre si chegando "e aí negão?", ou gays chegando e dizendo "e aí bicha?". Depende. 

Re: Transexualidade
Resposta #5: 9 de Julho, 2015, 18:35:34
  • Anael Limelight Feminino

  • "I'm one with the Force, and the Force is one with me!"
  • Semideus
  • Viúva do AT
1
0
Extremamente esclarecedor.

E parabéns pela coragem de se abrir conosco.

Infelizmente, acredito que nossa sociedade é muito mente fechada e machista, logo um ensino adequado sobre o assunto fica complicado.

Vou torcer e ora4 para que corra tudo bem com sua readequação de gênero

e se algum dia quiser pegar menina pra variar me chama 8D


Kasdrael, minha Nana
Anjinha da Guarda e Sakura do Ruddy ^^~

Re: Transexualidade
Resposta #6: 9 de Julho, 2015, 21:54:20
  • beyond Masculino

  • ▌║││║█║▌║│█
  • Médio
0
0
Trato como qualquer outra pessoa. A sociedade sempre teve problemas com tudo que saísse do seu "normal", e isto nunca irá mudar, o que resta é cada um viver sua vida da maneira que lhe faz feliz.

Re: Transexualidade
Resposta #7: 10 de Julho, 2015, 02:23:32
  • Jungon Masculino

  • Dono do Café
  • Administrador
  • Deus
0
0
Trato como qualquer outra pessoa. A sociedade sempre teve problemas com tudo que saísse do seu "normal", e isto nunca irá mudar, o que resta é cada um viver sua vida da maneira que lhe faz feliz.
Tipo..... só de existir uma cirurgia pra fazer a adequação, já existe uma pequena parcela da sociedade que aceita, não? +D (e de existirem movimentos, uma bandeira, palestras... +D)

Há uns poucos séculos atrás, todo mundo dizia que a terra era plana, se vc dissesse que era redonda te linchavam na rua ou te queimavam como bruxo/a xP a humanidade pode ter altos preconceitos mas tá lentamente evoluindo ^^~
*Jungon* kawaii lover ^__^ if I was a rich girl, nanananananananananananananana.. ♫







Dai-Yoh, meu sentai :3 Episódio novo quando eu puder voltar a escrever... i.i

Re: Transexualidade
Resposta #8: 10 de Julho, 2015, 07:26:41
  • beyond Masculino

  • ▌║││║█║▌║│█
  • Médio
0
0
Engraçado, porque hoje fazemos as mesmas acusações, mas em temas diferentes. Mesmo tendo bandeira, movimentos e cirurgias, muitas ilegais, ainda não é bem visto e nunca será na sociedade, pois é está a verdade. Isto é questão de cultura, tem locais que continuarão inaceitáveis, como em boa parte do oriente médio.

Re: Transexualidade
Resposta #9: 10 de Julho, 2015, 22:28:28
0
0
Só fiquei curioso com uma coisa:

Não tinha um estudo que dizia que a maioria das pessoas depois se arrependia de fazer esse tipo de cirurgias transformadoras? Ou seria o contrário? Agora já não me lembro...



Re: Transexualidade
Resposta #10: 10 de Julho, 2015, 23:04:06
0
0
Li seu tópico inteiro. Muito esclarecedor
É o tipo de informação que todos deveriam saber. Mas infelizmente nossa sociedade ainda precisa "evoluir" muito pra aceitar de mente aberta. E digo evoluir em cultura, mentalidade e educação.
Eu nem consigo me imaginar na sua situação... seria muito difícil mesmo.

E ainda tem a tal religião pra tumultuar... 

Re: Transexualidade
Resposta #11: 12 de Julho, 2015, 06:33:26
1
0
Extremamente esclarecedor.

E parabéns pela coragem de se abrir conosco.

Infelizmente, acredito que nossa sociedade é muito mente fechada e machista, logo um ensino adequado sobre o assunto fica complicado.

Vou torcer e ora4 para que corra tudo bem com sua readequação de gênero

e se algum dia quiser pegar menina pra variar me chama 8D

Obrigado por ter gostado do tópico e pelas vibrações positivas também!

Vc anda bem passadinha, Anael-chan, huehuehuehue... xD


Engraçado, porque hoje fazemos as mesmas acusações, mas em temas diferentes. Mesmo tendo bandeira, movimentos e cirurgias, muitas ilegais, ainda não é bem visto e nunca será na sociedade, pois é está a verdade. Isto é questão de cultura, tem locais que continuarão inaceitáveis, como em boa parte do oriente médio.

Quem disse que as cirurgias são ilegais? E, mesmo que aconteçam algumas ilegais, tais quais o aborto, acaba sendo impulsionado por uma necessidade da pessoa na qual ela vai fazer de qualquer forma pq precisa, e a sociedade, com buRRocracias, acaba não ajudando. O movimento é mega-organizado, e eu participei mês passado de uma reunião com um ativista homem trans E intersexo que tinha contato direto com pessoas que davam sugestões pela revisão do CID, Classificação Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde, no qual está pra sair uma nova versão agora, e um dos maiores dilemas é como despatologizar a transexualidade e ainda manter ela dentro de alguma categoria do CID no qual até facilitasse o acesso das pessoas à transição. Afinal, não é obrigatório, mas muitos planos de saúde e o próprio SUS baseia a sua cobertura no CID.

Mais um detalhe que vc não deve saber, mas a nível de curiosidade mesmo, já que vc utilizou um exemplo pontual, é que a transexualidade é aceita parcialmente e até, dentro dessa parcela, bem vinda no oriente médio. É sério, dê uma pesquisada. Lá nos países muçulmanos, tudo bem vc ser trans, DESDE QUE seja uma mulher trans, ou seja, homem biológico que faz a resignação sexual para mulher, pq se ser gay é motivo pra ser linchado, ao menos ser mulher trans é fazer algo que pros olhos deles é viver como hétero. Que eu saiba, até o sistema público de saúde deles cobre os procedimentos!
Já sobre homens trans lá, não sei da situação.

Algo que eu acho que vale a pena comentar é que ninguém está pedindo para ser aceito, só para ser respeitado. Entre aceitar e respeitar existe uma grande diferença. Vc não precisa aceitar ninguém pra respeitar. E, pras pessoas trans, esse respeito se resume em duas coisas simples: usar os pronomes certos e usar o nome certo, independente se trocou ou não no RG. Se até pra chamar um cachorro, as pessoas chamam um animal pelo nome certo, ou personagens fictícios e Pokémons, pq um ser humano não pode tratar decente? Eu retirei a minha carteira do nome social nessa sexta-feira e, no verso dela, vem os artigos do decreto que assegura o uso do meu nome social em locais como hospitais, escolas e etc. Mesmo com tal decreto, as pessoas não respeitam, insistem pelo RG em si, mesmo que a carteira social seja um equivalente (eu tive até que dar meus 10 dedos no Instituto Geral de Perícias de novo...) e, vendo a p**ra do RG, qual a consequência? Na fila do hospital ou posto de saúde, te constrangem e te chamam pelo nome de registro!  Legal, né? Parece que o respeito só vem arrumando o RG mesmo, que é algo que varia de Estado pra Estado. Aqui no Rio Grande do Sul, felizmente é muito rápido o processo. Mas em locais como RJ e SP, pode levar até 4 anos!


Só fiquei curioso com uma coisa:

Não tinha um estudo que dizia que a maioria das pessoas depois se arrependia de fazer esse tipo de cirurgias transformadoras? Ou seria o contrário? Agora já não me lembro...



Não. Tem um estudo que comprova que na verdade 95% das pessoas que fazem a transição ficam mais felizes e satisfeitas. (Claro que, qualquer estudo é complicado, de qualquer assunto, não só trans, desconfie sempre de estudos baseados em estatística).

De fato, e eu até li uma matéria semana passada, tem um número de pessoas que se arrependeram da transição, mas todas elas tinham características em comum:

1- Eram "mulheres trans" que tinham um histórico fetishista de crossdressing, ou seja, fantasias sexuais de se vestir de mulher
2- Acontecia que essas pessoas passavam por um problema sério na vida, tipo depressão, no momento que decidiam pela transição
3- Geralmente, essas pessoas eram famosas e/ou ricas, com muito poder aquisitivo, nem davam tempo de simplesmente viver socialmente no outro gênero, já partiam direto pras cirurgias e tratamento hormonal

Sério, eu li uma matéria que tinha pelo menos quase 10 casos assim, e TODOS eles tinham todos esses detalhes em comum. Existe até uma possibilidade de distúrbio chamado autogynephilia, que seria quando a pessoa simplesmente fantasia que é mulher e se excita sexualmente com a ideia. É diferente de tu ser uma pessoa que cresceu como trans, que desde a infância sente que tem algo de errado, numa fase da vida onde não tem nenhuma razão sexual por trás do que tu faz... (pelo menos, se considerarmos Freud, não a nível consciente...)

Me pergunto se o caso da Caitlyn Jenner não vai ser mais um na lista de homens fetishistas que acham que são mulheres, mas enfim, não é da minha conta... Espero que a pessoa esteja feliz consigo mesmo. Só foda que da noite pro dia já vira ícone trans e usada como bandeira da causa. (Eu sou bem crítico com essas coisas.)


Li seu tópico inteiro. Muito esclarecedor
É o tipo de informação que todos deveriam saber. Mas infelizmente nossa sociedade ainda precisa "evoluir" muito pra aceitar de mente aberta. E digo evoluir em cultura, mentalidade e educação.
Eu nem consigo me imaginar na sua situação... seria muito difícil mesmo.

E ainda tem a tal religião pra tumultuar... 


Obrigado, Sakuragi-kun! (Sim, eu vi um pouquinho de Slam Dunk, quero ver mais XD) E acho que vai ficar mais difícil depois que minha voz engrossar e vier barba e etc, e eu ficar mais visível como gay, do que como trans, propriamente dito. Fico com medo de ser agredido. =/

E sim, eu concordo que a melhora da sociedade não deveria ser SÓ nessa questão, mas em tudo. Acho que não vou trabalhar na área da educação, mas vou me formar como professor, pq já to na metade do curso mesmo, além de que eu tenho 2 irmãos pequenos, e penso todo dia nisso da educação... É lamentável.

E sim, já teve vizinhos evangélicos se metendo com minha mãe no interior (minha família se mudou pra lá faz 1 ano), e tipo, as criatura mal me viram por segundos na vida, minha mãe começou a se referir a mim como "filho" e Rafael naturalmente, aí, quando vou visitar, ela já diz pra vizinhos, "meu filho tá vindo, o Rafa vem aí!", e já metem o pau nela. Eles falam "que filho o quê! é filha! e o nome é (insira o nome de registro aqui)". Desculpem o palavrão, mas pqp, vão tomar no cu. Nunca nem sequer falaram comigo, mal ouviram meu nome de registro por 5 segundos na vida ano passado e tão se metendo...

Mais um motivo pra JAMAIS mencionar o nome de registro pra desconhecidos.

Por isso que digo, eu só quero respeito, não quero aceitação.


-------------------


E ah, quero acrescentar algo ao tópico!
Pessoas trans SEMPRE existiram desde que começou essa noção de gênero da sociedade. Ser "trans" não está condicionado à ideia de fazer cirurgias e tomar hormônios, e sim a DISFORIA de gênero (que, inclusive, faz parte com esse nome do DSM, Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, manual de psiquiatria mundial).
Ou seja, sempre teve pessoas que se sentiram trans e, das duas, uma:
1- Ou esconderam isso por dentro, e viveram pelo que a sociedade designou como "correto", o que é o mais provável
2- Ou, se aproveitando de uma androginia física, "enganaram" a sociedade (na verdade, é justamente o contrário: não enganaram ninguém, foram verdadeiros consigo mesmo e, consequentemente, com os outros), e viveram como o gênero que se sentem, e existem alguns casos conhecidos registrados na história, como a Chevalier d'Eon. Era uma mulher trans, viveu como mulher e só descobriram que "era homem" após a morte.

Então não, ser transexual não é invenção do último século, mas é algo que começou a ser entendido, estudado, mais ter possibilidades de intervenções médicas no século passado. Isso sem falar nos "terceiros gêneros" étnicos/tribais que mencionei aqui, em sociedades indígenas e etc pelo mundo, coisas que o colonizador branco destruiu e etc...

Mais um dos casos pioneiros de transexualidade moderna é do homem trans que foi um dos pioneiros na criação de raios-X pra radiografias, o Alan L. Hart.

Alan L. Hart (October 4, 1890 – July 1, 1962) was an American physician, radiologist, tuberculosis researcher, writer and novelist. At birth, Hart was assigned female, but later realised he was a male. He was in 1917-18 one of the first female to male (FTM) transsexuals to undergo hysterectomy and gonadectomy in the United States, and lived the rest of his life as a man. He pioneered the use of x-ray photography in tuberculosis detection, and helped implement TB screening programs that saved thousands of lives.


« Última modificação: 12 de Julho, 2015, 08:14:45 por Ritsuka »

Re: Transexualidade
Resposta #12: 12 de Julho, 2015, 16:59:33
  • beyond Masculino

  • ▌║││║█║▌║│█
  • Médio
1
0
Acho que você não entendeu bulhufas do que eu falei. Em momento nenhum falei que cirurgias são ilegais, falei que muitas são, e não critiquei, muito menos duvidei da organização dos movimentos, e sim, que mesmo com eles, pessoas continuarão a não olhar com bons olhos, não adianta empurrar contra a cultura de alguns, e acho correto uns não gostarem, ninguém é obrigado, cada um se expressa como quer, e pode não gostar do que quiser, não é burra por isto, cada com seu cada um, o mesmo para quem aceita, também faz certo. Ninguém é obrigado a aceitar nada, mas somente respeitar, e acabou ai.


Já sobre homens trans lá, não sei da situação.


Então a situação continua de como eu falei.

Re: Transexualidade
Resposta #13: 12 de Julho, 2015, 20:26:59
2
1
Acontece, Ullr que é muito fácil privar a pessoa de um direito básico quando se fala isso de uma minoria. Quanto mais a gente falar que é ok não olhar com bons olhos, é ok não ser obrigado e etc, mais você tá contribuindo pra transexualidade continuar sendo tabu, e consequentemente as pessoas trans vão continuar tendo uma vida dificílima onde arrumar um emprego, usar nome social nos documentos e até usar o banheiro público é uma coisa impossível.

Fora que basear o argumento em "é uma questão cultural" é até sacanagem. Pedofilia era questão cultural  no século 19. Chicotear preto era questão cultural na época do Brasil colônia...

E Ritsuka, obrigada por levantar essa questão aqui. Mesmo sendo ativista, eu já tinha decidido que não ía entrar em discussões sobre esses assuntos na AG, mas lendo o seu relato achei importante dizer que você não tá sozinho... Ainda bem q pelo visto você tem a sua mãe, q é a pessoa mais importante <3

ei, Visitante... promete que não vai embora?

meus ômi

Re: Transexualidade
Resposta #14: 12 de Julho, 2015, 20:40:51
  • beyond Masculino

  • ▌║││║█║▌║│█
  • Médio
1
0
Vocês só leem e compreendem como querem, é incrível.

A minha visão é que todos sejam tratados igualmente. Eu não estou contribuindo para nenhum tipo de tabu, eu só acho que cada um tem o direito de gostar ou não gostar, mas ter respeito em relação à qualquer pessoa, seja ela gay, hétero, ou o que for.

Eu acho interessante a luta para quebrar certos preconceitos que temos hoje em dia, principalmente em relação a homossexualidade, mas com os anos isto veio ganhando força e vemos as pessoas bem mais tolerantes.

Grande porcentagem das pessoas no Brasil são religiosos e na bíblia prega contra o homossexualismo, então, sim, é complicado mudar a mente destas pessoas, principalmente os que são fervorosos, e você me vem com este de negros e pedofilia  ? Usei um argumento verídico.

Por isto eu disse e repito, no futuro, vão conquistar o respeito, mas não a aceitação de todos, muitos, principalmente religiosos vão discordar, mas vão ter que respeitar, e para mim, é o mais importante. Como eu disse, cada um tem o direito de viver como quiser, sem precisar ser julgando ou sofrer preconceitos.

Re: Transexualidade
Resposta #15: 12 de Julho, 2015, 21:19:11
0
0
É q eu não entendi uma coisa: você define gostar como? Não vai se relacionar sexualmente? Não vai ser amigo de um?
E pq meu argumento é inválido? Pq eu falei de outra minoria? XD

ei, Visitante... promete que não vai embora?

meus ômi

Re: Transexualidade
Resposta #16: 12 de Julho, 2015, 21:26:40
  • beyond Masculino

  • ▌║││║█║▌║│█
  • Médio
1
0
Mas não falei que seu argumento é inválido, apenas citei que o meu argumento não é "sacanagem".


A pessoa pode lhe respeitar, ser seu amigo, mas não concordar com o homossexualismo. Ou conviver na mesma classe que a sua na faculdade, e não concordar com o homossexualismo, mas respeitará você e não fará nenhum comentário maldoso ou descriminá-la.


Assim como você não seria obrigada a concordar com a bíblia, mas seria amiga de uma religiosa, não ? Então você vai respeitá-la e não vai difamar a bíblia, na qual ela leva como um estilo de vida baseada na fé.


Por isto eu disse, ninguém precisa concordar, e sim respeitar.

Re: Transexualidade
Resposta #17: 13 de Julho, 2015, 00:03:58
0
0
Homossexualidade*

Ainda não entendi como você pode ser amigo de uma pessoa e não aceitar a condição sexual dela, o que exatamente vc tem que aceitar? (não to querendo alfinetar nem ser passivo-agressiva, to realmente tentando entender) Pq se eu achar que tem alguma coisa grave que eu não aprove na bíblia ou em algum outro lugar, eu vou comentar com a pessoa pra dizer o pq de eu achar q aquilo não ta certo.

ei, Visitante... promete que não vai embora?

meus ômi

Re: Transexualidade
Resposta #18: 13 de Julho, 2015, 02:11:02
  • beyond Masculino

  • ▌║││║█║▌║│█
  • Médio
1
0
Qual o problema com isto ? Se você achar que Deus não existe, logo você não poderá ser amiga de uma pessoa que acredita ? Ela no caso teria que descartar você como amiga ? Será isto que vai definir a amizade ? Está puxando sardinho para o seu lado, assim como muitos fazem, por isto, muitas coisas não vão para frente.


Você pode ir comentar com ela sobre o porque aquilo estar errado na bíblia, mas ela for falar o porque não concorda com o movimento LGBT, seria ela homofóbica, burra, mente fechada e etc....? É o que mais vejo por aí, só que incomoda quando somos os alvos.


Não vejo o mesmo fervor para as causas contra a pobreza, contra a exploração de menores, porque nada disto está tão em evidência.


Respeito a todos, e ponto. Não sou obrigado a abraçar causa nenhuma, mas espero que conquistem seus objetivos. O engraçado de suas respostas,  são parecidas com de alguns crentes por aí.
« Última modificação: 13 de Julho, 2015, 02:42:48 por Ullr »

Re: Transexualidade
Resposta #19: 13 de Julho, 2015, 14:06:47
1
0
Olha, para um para alguém que nasceu homem usar banheiro feminino acho errado, á não ser que ele realmente faça operação e mude seu sexo, idem a mulher o banheiro masculino.
Acho que temos que respeitar o espaço de cada um, e as normas da sociedade(sociedade e não religião entenda bem), acho que nesse ponto poderia existir banheiros unissex,masculino e feminino, algo bem mais compatível.

Concordo plenamente com o que o Ullr disse, ninguém é obrigado a aceitar, mas sim respeitar como qualquer cidadão e ser humano merece ser respeitado.Cada um faz o que quer da sua vida, mas a partir do momento que afeta terceiros ai ja é complicado.

Agora isso de gay não poder ser amigo de crente acho isso absurdo.Cara sou Agnóstico e sou amigo de evangélicos, espiritas, e de gays, e não vejo problema nisso.Tenho um amigo gay que é do candomblé e é amigo de variados tipos de pessoas inclusive crentes.Tem que existir respeito para se construir uma amizade, dogmas religiosos não tem nada a ver com isso.

Oh! passageiras alegrias
do Éden compradas por desgraças
tão duráveis!

Deus Criador,
pedi-te porventura
Que do meu barro
me fizesses homem?


Re: Transexualidade
Resposta #20: 13 de Julho, 2015, 23:17:55
0
0
Olha, para alguém que nasceu homem usar banheiro feminino acho errado, á não ser que ele realmente faça operação e mude seu sexo...
Isso eu tenho que concordar com você, eu se fosse pai não acharia legal saber que minha filha está usando banheiro masculino, e aposto que os pais de alunas também não achariam legal saber que alunos frequentam banheiro feminino. Acho desnecessário. Muita coisa pode acontecer numa escola.

Sobre Gays serem amigos de evangélicos... acho um tema muito delicado. A própria religião cristã em si, condena como algo abominável a homossexualidade. Para o cristianismo o design inteligente de Deus não permite que o homem goste de homem ou mulher goste de mulher. Qualquer coisa fora do padrão hétero é algo demoníaco. E a Bíblia sustenta isso, infelizmente.

Eu até acredito que possa existir essa tal amizade, mas acho muito difícil. Somente cristãos não muito radicais aceitariam isso.
« Última modificação: 14 de Julho, 2015, 00:35:51 por Sakuragi »

Re: Transexualidade
Resposta #21: 14 de Julho, 2015, 08:57:28
  • beyond Masculino

  • ▌║││║█║▌║│█
  • Médio
0
0
Pessoas radicais são amigas somente de outras pessoas radicais da mesma linha. E não, não é muito difícil, eu conheço vários casos.

Re: Transexualidade
Resposta #22: 14 de Julho, 2015, 20:26:19
1
0
Se cada um ficasse na sua esses assuntos não teriam nem muita discussão.

O que me intriga é a quantidade de pessoas tentando regular o que os outros podem ou não fazer com o seu corpo.


Re: Transexualidade
Resposta #23: 15 de Julho, 2015, 05:57:04
2
0
Nossa, a discussão pegou um pouquinho de fogo enquanto estive fora, não?

E Ritsuka, obrigada por levantar essa questão aqui. Mesmo sendo ativista, eu já tinha decidido que não ía entrar em discussões sobre esses assuntos na AG, mas lendo o seu relato achei importante dizer que você não tá sozinho... Ainda bem q pelo visto você tem a sua mãe, q é a pessoa mais importante <3

Muito obrigado, Hana! Não quero me comprometer com ativismo nenhum ou firmar filiação com qualquer organização, eu só quero ser respeitado. E acho que o respeito vem explicando de forma natural como são coisas que geralmente as pessoas não fazem idéia do que seja (o que seria o PRÉconceito, literalmente).

Fico feliz por teu apoio. E é, se não fosse minha mãe... A gente se desentendeu por anos na vida (nothing trans related, pra deixar claro), mas chegou a hora da gente se amar e se entender. =)


Olha, para um para alguém que nasceu homem usar banheiro feminino acho errado, á não ser que ele realmente faça operação e mude seu sexo, idem a mulher o banheiro masculino.
Acho que temos que respeitar o espaço de cada um, e as normas da sociedade(sociedade e não religião entenda bem), acho que nesse ponto poderia existir banheiros unissex,masculino e feminino, algo bem mais compatível.

Concordo plenamente com o que o Ullr disse, ninguém é obrigado a aceitar, mas sim respeitar como qualquer cidadão e ser humano merece ser respeitado.Cada um faz o que quer da sua vida, mas a partir do momento que afeta terceiros ai ja é complicado.

Bah, me sinto no dever de responder isso do banheiro. "Nascer", tudo bem. Meu sexo será eternamente "feminino", pq mesmo que eu mudasse meu corpo com todas as cirurgias e hormônios do mundo, meus cromossomos vão ser pra sempre XX, e eu aceito isso. That's biology. Mas, se vc leu todo meu tópico, e eu espero que tenha lido todo, mesmo que não tenha assistido os vídeos, acho que eu expliquei, e até trouxe na ilustração inicial do tópico, que sexo e gênero são coisas distintas. Eu não tenho culpa se meu gênero mental nunca fechou com meu sexo corporal. Pode ter trocentas causas: genética, psicológica e o caralho voador, me responde qualquer coisa, igual, não vai mudar o fato que eu sou transgênero. E, uma vez que eu sou assim, sou obrigado a pagar todos os meus pecados e viver um calvário até o fim da minha vida por uma condição física que não escolhi? Really?
Entendo que vc não tenha talvez implicado tudo isso, mas a questão do banheiro implica isso. Pq eu deixei bem claro no tópico que as cirurgias de readequação genital para homens trans não existem no Brasil, custam rios de dinheiro, envolvem riscos, são imperfeitas e, mesmo que tivesse a grana, algumas pessoas não querem fazê-las? (tipo eu  ) Vc sabe que eu vou tomar hormônios, mudar minha voz, retirar os seios e, muito em breve, ser lido "como homem"? E se eu entrar no banheiro feminino assim? Sou preso, me chamam de tarado ou coisa do tipo. Mas não, não posso usar o banheiro feminino pq, como vc disse, eu sou "mulher", em  "idem a mulher o banheiro masculino", e eu nunca vou ter um pênis, pelo menos, não na sua lógica corporal. (Saiba que inclusive se fabricam próteses para homens trans urinar, chamadas "STP", stand-to-pee device. Exemplos aqui: http://transclothesexchange.tumblr.com/post/92572946026/packer-locker)
Ai minha sofrência...  Afora que ANTES de qualquer tratamento hormonal ou cirurgia, como trans, seja eu ou qualquer outro, temos direito de usar os banheiros de acordo com o nosso GÊNERO.
E cara, se vc reduz o direito de uma pessoa a um genital, o que dizer das pessoas intersexo? A sociedade finge que as pessoas intersexo não existem, forçam essas pessoas a "cirurgias corretivas" no nascimento sem respeitar a decisão futura delas. Mas, pela tua lógica, uma pessoa intersexo sem cirurgia com genitália ambígua, qual banheiro ela usa? Nenhum, afinal não existe banheiro pra pessoas intersexo.
Eu acho legal a idéia de banheiros "unissex" pq quebra com o binarismo de gênero, mas, ao mesmo tempo, se fosse algo utilizado no intuito de excluir pessoas como uma espécie de um terceiro banheiro exclusivo pra trans & intersexo, eu não ia gostar.
E sim, eu vou usar o banheiro masculino, não vou fazer cirurgia genital pq eu não quero, e não vou esperar ter um STP pq nem sei quando vou ter dinheiro pra comprar um. Aceito doações, quem quiser.

E sobre "afetar terceiros", o que é afetar terceiros? Isso é algo tão subjetivo. Um casal hétero pode ter demonstrações públicas de afeto e isso "afeta" os olhos de terceiros, mas tá de boas, pq a sociedade aceita (mais do que respeita).
Pra mim, afetar é algo que envolve diretamente a vida dos outros, e o que eu vou fazer diz respeito ao meu corpo, não ao de ninguém.


Isso eu tenho que concordar com você, eu se fosse pai não acharia legal saber que minha filha está usando banheiro masculino, e aposto que os pais de alunas também não achariam legal saber que alunos frequentam banheiro feminino. Acho desnecessário. Muita coisa pode acontecer numa escola.

Sobre Gays serem amigos de evangélicos... acho um tema muito delicado. A própria religião cristã em si, condena como algo abominável a homossexualidade. Para o cristianismo o design inteligente de Deus não permite que o homem goste de homem ou mulher goste de mulher. Qualquer coisa fora do padrão hétero é algo demoníaco. E a Bíblia sustenta isso, infelizmente.

Eu até acredito que possa existir essa tal amizade, mas acho muito difícil. Somente cristãos não muito radicais aceitariam isso.


Respondida a questão do banheiro acima. Mas, complementando: cara, se tua filha usasse o banheiro masculino por ser trans, então ela não seria ela, e sim elE, teu filhO. E se tivesse uma trans no banheiro feminino, ela não seria um menino. Nos tiram pra tarados, acham que vamos se aproveitar de alguma brecha disso da identidade de gênero pra "fingir" que somos algo e fazer taradisses de se infiltrar em banheiros pq ia ficar mais "fácil". Só que não.
Quem utilizasse os banheiros no pretexto trans é pq realmente precisa, e ainda pensaria 2x ou mais em começar a fazer isso, pq teria a possibilidade de, se assumindo trans e usando o banheiro oposto, virar motivo de chacota na escola.
SE alguém fingisse ser trans e usasse isso só pra invadir banheiros, caberia aos alunos denunciar à direção da escola, além de desde as séries iniciais explicar pras crianças que sim, elas podem ter coleguinhas trans. E isso não é nenhuma "ideologia de gênero".

Sobre a questão religiosa, tava até falando pra Anael Limelight que muita coisa da Bíblia pode ter sido distorcida, seja por erro de interpretação ou por erro de tradução. Vou postar aqui um vídeo de uma pastora lésbica bem interessante.
Vale dizer que, como até papeei muito com a Anael-chan, eu já fui cristão praticante no passado, e também faço parte de um lar cristão (hoje sou agnóstico, btw), e eu respeito as religiões. O que eu não gosto é que tenham pastores utilizando a Bíblia como forma de incitar o ódio nos fiéis e fazê-los de massa de manobra (sendo que o efeito "massa de manobra" acontece em todos os meios, inclusive LGBT).

O vídeo em questão, super recomendo pra quem é religioso:



Se cada um ficasse na sua esses assuntos não teriam nem muita discussão.

O que me intriga é a quantidade de pessoas tentando regular o que os outros podem ou não fazer com o seu corpo.


Lacrou. Falou tudo!



Update (15 de Julho, 2015, 06:10:11):
Combando na questão do banheiro, deixo duas tirinhas da Laerte Coutinho:





Até eu passar por esse controle, já me mijei todo. Sorry pela honestidade.

E mais essas imagens:





Na foto acima, um homem trans. Vai me dizer que com a barba dele ele passa de boas no banheiro feminino?
« Última modificação: 15 de Julho, 2015, 06:10:15 por Ritsuka, Motivo: Merged DoublePost »

Re: Transexualidade
Resposta #24: 15 de Julho, 2015, 07:58:27
  • beyond Masculino

  • ▌║││║█║▌║│█
  • Médio
1
0
Se cada um ficasse na sua esses assuntos não teriam nem muita discussão.

O que me intriga é a quantidade de pessoas tentando regular o que os outros podem ou não fazer com o seu corpo.

Estou tentando dizer isto desde o início. Mas levaram para o outro lado. É cada um na sua, todos devem apenas se respeitar, cada um com suas crenças, cada um faz o que quiser com seu corpo, cada um com suas opções e assim vai. As pessoas devem levar a vida como quiserem, e serem felizes de suas maneiras.